Facebook Grandha.
Instagram Grandha
YouTube Grandha
Estresse e ansiedade: protocolos de aromaterapia com óleos essenciais para tratamento.

Estresse e Ansiedade: Protocolos de Aromaterapia com Óleos Essenciais

Compartilhe:

Ansiedade e Estresse Precisam Ser Tratados

No atual momento que estamos vivendo, muito se fala em estresse e ansiedade, assim como seus efeitos no organismo. Muitas pessoas estão vivenciando situações de estresse intenso e aumento da ansiedade. O estresse é uma reação comum do organismo frente a determinados estímulos externos ou internos – situações reais ou imaginárias de ameaça.

As respostas podem variar desde uma reação de emergência, como fantasia e formação reativa, até somatização, retração parcial, ruptura transitória do ego, psicose e suicídio. Um dos principais presságios do estresse é a ansiedade, uma apreensão deflagrada por algo que o indivíduo considera uma ameaça (BALDASSIN, 2006).

Mulher com estresse e ansiedade: protocolos de aromaterapia com óleos essenciais para tratamento.

Um dos principais presságios do estresse é a ansiedade.

As terapias complementares, como a aromaterapia – aplicação terapêutica dos óleos essenciais –, podem ajudar no alívio do estresse e redução da ansiedade. No que se refere a estresse e ansiedade, estudos mostraram a utilidade da aromaterapia, obtendo redução dos níveis de ansiedade e estresse após terapias com óleos essenciais em diversos grupos sociais (PERRY, 2006).

Segundo estudo realizado por Lyra et al. (2010); houve melhora significativa nos níveis de estresse e ansiedade no grupo tratado com aromaterapia; possivelmente, pelos efeitos descritos na literatura:

  • Os efeitos tônicos (revigorantes) e calmantes sistêmicos dos óleos essenciais após absorção pelo epitélio pulmonar e no sistema nervoso central (YAMADA, 2005);

  • Efeitos emocionais dos óleos essenciais no sistema límbico via bulbo olfatório (TISSERAND, 2009).

Como Aplicar Aromaterapia em Casos de Ansiedade

Com o uso dos óleos essenciais podemos estabelecer o equilíbrio da mente e dos sistemas do corpo, ocasionando bem-estar e, consequentemente, promovendo uma melhor qualidade de vida para as pessoas afetadas pelo estresse (TROVO; SILVA; LEÃO, 2003). Uma sugestão é utilizar os óleos no dia a dia num colar aromático, ou ainda pingar em algodão, para uso debaixo do travesseiro – apenas 2 gotas diariamente.

Podemos também pingar os óleos no difusor elétrico ou difusor com vela; 5 gotas do óleo essencial, diluídos num pouco d’água, durante 20 minutos no ambiente. Ou ainda em banhos: 15 gotas após encher a banheira, dissolvidas numa colher de sopa de óleo vegetal.

Abaixo, listarei algumas opções de óleos essenciais para te ajudar a manter os níveis de estresse controlados, com redução da ansiedade.

Difusor elétrico é ferramenta importante para a aromaterapia.

Óleos essenciais podem ser diluídos em água e vaporizadas no difusor elétrico.

Características de Alguns Óleos Essenciais

  • Lavanda Francesa: é calmante, relaxante e pode ser utilizado em qualquer estado de ansiedade, ajudando no equilíbrio da mente e do corpo;
  • Ylang Ylang: ajuda a aliviar tensões nervosas, ansiedade e problemas relacionados ao estresse. Traz conforto e harmoniza;
  • Laranja Doce: É um ótimo calmante. Auxilia a absorção de Vitamina C e combate a insônia decorrentes de ansiedade.
  • Gerânio: Com sua função reguladora sobre o sistema hormonal, é útil para quem sofre de tensão pré-menstrual e menopausa. Combate a ansiedade e a depressão.
  • Sândalo Amyris: O sândalo é uma árvore cuja casca é rica em propriedades medicinais, produz efeito calmante e refrescante na mente e no corpo.
  • Funcho doce: tem efeito calmante sobre o sistema nervoso, indicado para a redução de apetite e auxílio à digestão.
  • Bergamota: suas propriedades terapêuticas e medicinais são antisséptico, analgésico, digestivo e bactericida, são utilizados para combater o estresse pelos seus efeitos sedativos e energizante.
  • Cedro: suas propriedades terapêuticas e medicinais são sedativo, relaxante, adstringente, diurético, expectorante, repelente de insetos usados para ansiedade e estresse.
  • Cipreste: suas propriedades terapêuticas e medicinais são restaurador dos nervos e sedativo, além de ser adstringente, antisséptico e cicatrizante usados para irritabilidade e nervosismo.


Conheça a Linha de Óleos Essenciais Alkymia di Grandha

Blends Contra Ansiedade e Estresse

Blend Contra Ansiedade

No difusor:

  • 2 gotas de óleo de lavanda francesa
  • 2 gotas de óleo de bergamota
  • 1 gota de óleo de laranja doce


Em colar ou algodão:

  • 1 gota de óleo de funcho doce
  • 1 gota de óleo de cipreste

Blend Contra Estresse

No difusor:

  • 2 gotas de óleo de ylang ylang
  • 2 gotas de óleo de sândalo amyris
  • 1 gota de óleo de bergamota


Em colar ou algodão:
*Diluir num pouco de água

  • 1 gota de óleo de gerânio
  • 1 gota de óleo de cedro virgínia

Blend para Banhos Calmantes e Relaxantes

  • 5 gotas de óleo de lavanda francesa
  • 5 gotas de óleo de ylang ylang
  • 5 gotas de óleo de sândalo amyris
  • 15 ml de óleo vegetal de calêndula


Referências:
1. Baldassin SP, Martins LC, Andrade AG. Traços de ansiedade entre estudantes de medicina. Arq Med ABC. 2006;31(1):27-31.
2. Lyra, Cassandra Santantonio de; Nakai, Larissa Sayuri; Marques, Amélia Pasqual. Eficácia da aromaterapia na redução de níveis de estresse e ansiedade em alunos de graduação da área da saúde: estudo preliminar. Fisioterapia e Pesquisa, São Paulo, v.17, n.1, p.13-7, jan/mar. 2010
3. Yamada K, Mimaki Y, Sashida Y. Effects of inhaling the vapour of Lavandula burnatii super-derived essential oil and linalool on plasma adrenocorticotropic hormone (ACTH), catechpolamine and gonadotropin levels in experimental menopausal female rats. Biol Pharm Bull. 2005;28(2):378-9.
4. Perry N, Perry E. Aromatherapy in the management of psychiatric disorders: clinical and neuropharmacological perspectives. CNS Drugs. 2006;20(4):257-80.
5. Tisserand R, Balacs T. Essential oil safety: a guide for health care professionals. London: Churchill Livingstone; 2009.
6. Trovo, M. M.; Silva, M. J. P da.; Leão, E. R. Terapias alternativas/complementares no Ensino público e privado: análise do conhecimento dos acadêmicos de Enfermagem. Rev. Latino- Am. de Enfermagem. Ribeirão Preto. Vol 11. N 4. Agosto, 2003.


Erica Cacoci é autora do Blog Grandha.

Acompanhe nossas atualizações e novidades no Facebook Grandha.

Grandha Instagram. @grandhabrasil, siga-nos no Instagram.


Reposição Lipídica com Óleo de Abacate Para Cabelo Saudável.

Reposição Lipídica com Óleo Vegetal de Abacate Para Cabelo Saudável

Compartilhe:

Sobre a Reposição Lipídica

A reposição lipídica é utilizada como um recurso terapêutico, através do uso de ativos higroscópicos capazes de absorção e retenção de água na superfície da pele. Este processo é comumente conhecido como “umectação”.

Óleos Vegetais e Reposição Lipídica

Os óleos vegetais apresentam uma penetração rápida e profunda, promovendo toque umectado, mas seco – não-gorduroso. Os óleos vegetais integram-se no manto hidrolipídico da pele e, através da reposição lipídica, fornecem substâncias essenciais ao seu bom funcionamento e proteção. São ótimas ferramentas para impedir a perda de água, suprindo a necessidade de lubrificação e mantendo a flexibilidade da pele. Portanto, os óleos vegetais são considerados elementos fisiológicos bem-vindos à pele, pois ajudam a manter o equilíbrio de suas funções.

Umectação com Óleo Vegetal de Abacate

Hoje vamos falar do óleo vegetal de abacate, muito utilizado na saúde do couro cabeludo e dos fios, com objetivo de equilibrar a microbiota. O óleo de abacate é muito adequado para tratar disfunções como caspa, inflamações, seborreia e queda. Além disso, também otimiza a densidade, flexibilidade, fortalecimento e hidratação dos fios.

O óleo vegetal de abacate é extraído através prensagem das sementes da Persea gratissima, fruto originário do México, caracterizado por ser um óleo delicado, suave, fino e altamente compatível com a pele e cabelo. Provê brilho e maciez e é rico em vitaminas A, B1, D e E. Seu teor mais alto em ácidos graxos está no ácido oleico, que corresponde ao ácido graxo mais abundante da pele.

Pode ser utilizado puro ou associado a outros óleos vegetais e essenciais, sendo um excelente carreador destes. Rico em potássio, fósforo, magnésio, enxofre, cálcio, sódio e cobre: todos minerais essenciais para metabólicos de renovação celular.

Reposição lipídica com óleo de abacate deixa cabelo e couro cabeludo saudáveis.

O óleo de abacate é muito adequado para tratar disfunções como caspa, inflamações, seborreia e queda, além de melhorar a densidade, flexibilidade, fortalecimento e hidratação dos fios.

O uso correto do óleo vegetal de abacate em processos de reposição lipídica oferece proteção, nutrição, maciez e vitalidade. Sabe-se que muitas quedas e outras disfunções apresentam desequilíbrio fisiológico do couro cabeludo. Neste primeiro momento, o ideal é estabilizar o couro. Por isso, o óleo de abacate é super indicado por apresentar propriedades bactericidas, antivirais e anti-inflamatórias.

Programa de Tratamento com Reposição Lipídica

Utilize o óleo de vegetal de abacate nos cabelos secos, aplicando-o mecha a mecha. Distribua-o uniformemente com um pente e, no tempo de pausa, faça uma massagem e, de preferência, coloque uma música de relaxamento. Enxágue e higienize com shampoo detox para remoção de impurezas, depois o Fine Herbal Shampoo para agregar no controle do processo inflamatório. Caso necessário, condicione os fios.

Importante: o início de qualquer tratamento capilar deve sempre ser na estabilização da saúde do couro cabeludo.


Viviane Coutinho, colunista do Blog Grandha.

Acompanhe nossas atualizações e novidades no Facebook Grandha.

Grandha Instagram. @grandhabrasil, siga-nos no Instagram.


Óleo de Melaleuca e Alta Frequência no Controle do Fungo Malassezia Furfur

Compartilhe:

Óleo de Melaleuca e Alta Frequência no Controle do Fungo Malassezia

O óleo de melaleuca ganhou destaque no início de fevereiro, quando a Dra. Erica Bighetti e o diretor técnico da Grandha, Celso Martins Junior, em conjunto com a docente Luciana U. dos Santos e a graduanda Bárbara L. Pincinato, tiveram um artigo publicado no livro “Ciênicas da Saúde: Campo Promissor em Pesquisa 9”, da Editora Atena.

O assunto do artigo, que corresponde ao capítulo 14 do livro, é “O uso de Alta Frequência e Óleo de Melaleuca no Controle do Fundo Malassezia furfur“. Confira agora alguns trechos fundamentais do artigo.

Introdução: Óleo de Melaleuca, Alta Frequência e Malassezia furfur

Malassezia pachydermatis é um micro-organismo muito frequente em otites caninas (BAPTISTA et al., 2010). Em humanos, espécies do fungo Malassezia fazem parte da microbiota da pele e, portanto, o equilíbrio populacional do fungo é fundamental para a saúde deste órgão. Assim, como em outros animais, quando em alta densidade populacional pode desencadear dermatites em humanos, sendo Ciências da Saúde: Campo Promissor em Pesquisa 9 Capítulo 14 133 frequentes em indivíduos HIV positivos (MORENO-COUTINO et al., 2019).

Um exemplo é a dermatite seborreica que, embora ainda não tenha sua causa definida, pesquisas sugerem que seu estabelecimento está associado a três fatores importantes: aumento de secreção de glândulas sebáceas, resposta imune do indivíduo e disbiose da pele (como aumento do fungo Malassezia spp.) (NETO et al., 2013; GOMES, 2015; SBD, 2018). Alterações climáticas, especialmente, o clima frio e seco é outro fator que desencadeia a piora dos sintomas (LIMA e COMARELLA, 2012).

Outro fator que leva ao fungo como possível causa da dermatite é o fato de que o processo inflamatório é reduzido quando administrado um produto fungicida ao tratamento, muitas dermatites (NETO et al., 2013; ESPINDOLA, et al., 2017, TIAGO et al., 2018).

Várias são as terapias para o controle desta dermatite e entre elas, o uso do aparelho de alta frequência, tem o efeito bactericida, fungicida e antisséptico (BRAZ et al., 2014), sendo muito utilizado na área da estética em lesões dermatológicas infectadas por bactérias e fungos. O gerador de alta frequência apresentou efeito bactericida em cultura in vitro de Staphylococcus aureus quando aplicado com uma frequência de 5 vezes por semana, por 15 minutos diários (MARTINS et al., 2012).

O aparelho de alta frequência promove ação biocida de forma eficaz, uma vez que gera ozônio, gás que como ação primária, penetra na parede celular do micro-organismo, pois oxida glicopeptídeos, glicoproteínas e aminoácidos, causando lise e assim se se deslocando para o interior da célula. Uma vez em meio intracelular, o ozônio se liga a elementos citoplasmáticos, promovendo a oxidação de aminoácidos e ácidos nucléicos, acarretando a clivagem e morte celular (SILVA et al., 2011). Quando comparado a outros agentes oxidantes, o ozônio se destaca pelo elevado potencial de oxidação e em função desta ação é utilizado na inativação de micro-organismos em vários tipos de amostras como alimentos, efluentes e água (GUADAGNINI et al., 2013; COELHO et al., 2015; SILVA e DANIEL, 2015; NAKADA et al., 2017).

Outro método terapêutico utilizado para controle de patogenias é o uso de óleo essencial, que possuem diferentes atividades biológicas entre elas a ação bactericida e fungicida (CIRINO, 2014) e Malassezia spp. mostra-se sensível a diferentes óleos essenciais como Cymbopogon citratus (capim limão) (CARMO et al., 2012) e Origanum vulgare (orégano) (SANTIN et al., 2014).

O óleo de melaleuca é oriundo da planta Melaleuca alternifolia e tem função antisséptica, bactericida e fungicida, sendo muito empregado em produtos cosméticos e área de saúde em função de sua ação biocida (OLIVEIRA et al., 2011; MARTINS et al., 2015; SILVA, 2018). Diante de resultados apresentados por pesquisadores, o uso de ozonioterapia e de óleos essenciais na aromaterapia foram incorporadas como novas práticas na Política Nacional de Práticas Integrativas e Complementares (PNPIC) (BRASIL, 2018).

Em função da espécie M. furfur se frequentemente associada a dermatites no ser humano e dos bons resultados de ação fungicida do uso de alta frequência e dos óleos essenciais, é de extrema importância avaliar a ação destes tratamentos sobre esta espécie de fungo.

O objetivo deste estudo foi avaliar a ação da alta frequênica e do óleo de Melaleuca alternifólia no controle de culturas celulares do fundo Malassezia furfur.

Resultados e Discussões: Óleo de Melaleuca, Alta Frequência e Malassezia

Como M. furfur é um fungo dimórfico, após a transferência de parte da colônia para as placas de meio de cultivo foram observadas as leveduras após 4 dias de incubação e, após 7 dias observou-se a forma filamentosa (Fig.1).

Óleo de melaleuca e alta frequência combatem fungo malassezia furfur.

Figura 1. M. furfur na forma filamentosa em placa de Petri com meio Sabouraud Dextrose Agar acrescido com 0,2 ml de ácido oleico, após incubação por 7 dias.

Para a realização dos tratamentos, novas placas foram semeadas, incubadas e observadas quanto ao crescimento. Quando o fungo se apresentou na forma de filamentos, os tratamentos foram realizados.

Nas placas do GC, foram observados leveduras e filamentos de M. furfur, após a incubação por 24 e 48 horas, respectivamente, confirmando mais uma vez a viabilidade do meio e da cultura fúngica (Fig. 2).

Óleo de melaleuca e alta frequência combatem fungo malassezia furfur.

Figura 2. M. furfur na forma filamentosa em placa de Petri com meio Sabouraud Dextrose Agar acrescido com 0,2 ml de ácido oleico do grupo controle (GC).

As placas com M. furfur do GAF, apresentaram crescimento do fungo até a forma filamentosa o que ocorreu após 48 horas de incubação, porém, quando comparada com o GC, suas hifas – filamentos – mostraram-se muito menores (Fig.3).

Óleo de melaleuca e alta frequência combatem fungo malassezia furfur.

Figura 3. M. furfur na forma filamentosa em placa de Petri com meio Sabouraud Dextrose Agar acrescido com 0,2 ml de ácido oleico do grupo que recebeu o tratamento de alta frequência (GAF).

Já a colônia de M. furfur que foram transferidas para placas contendo (GTO) o óleo, apresentou apenas a forma de levedura, 48 horas após incubação e, mais uma vez, quando comparado ao GC, a formação de colônias foi visivelmente em menor número e com células visivelmente menores.

Óleo de melaleuca e alta frequência combatem fungo malassezia furfur.

Figura 4. M. furfur na forma filamentosa em placa de Petri com meio Sabouraud Dextrose Agar acrescido com 0,2 ml de ácido oleico do grupo que recebeu o tratamento do óleo (GTO).

O equipamento de alta frequência é amplamente utilizado em função de seu baixo custo, fácil manuseio e versatilidade, sendo utilizado em muitos procedimentos da área de estética, como controle de lesões cutâneas, tratamento capilar e, em procedimentos pós extração, isso em função de possuir efeito cicatrizante, anti-inflamatório, bactericida e fungicida. Porém, são escassos os estudos que avaliam a ação do equipamento de alta frequência sobre os diferentes grupos taxonômicos de micro-organismos (OLIVEIRA, 2011, MARTINS et al., 2012, GAO et al., 2014).

Culturas de Staphylococcus aureus tiveram seu desenvolvimento reduzido quando aplicado o equipamento de alta frequência 5 vezes por semana por 15 minutos diários (MARTINS et al., 2012). A ação deste equipamento impediu também o crescimento do fungo Candida tropicalis em culturas de laboratório (HIGA et al., 2012)

Braz et al. (2014) avaliou a aplicação por 3 minutos de alta frequência com sobre Malassezia spp. e obteve redução do crescimento do fungo em 85% das placas, confirmando o efeito redutor no crescimento deste micro organismo.

Os resultados obtidos neste estudo, inicialmente corroboram com os trabalhos disponíveis na literatura, pois a aplicação da alta frequência reduziu também o crescimento de M. furfur após a aplicação.

De uma maneira geral, as plantas possuem substâncias com ação tóxica como forma de proteção contra seus agentes patogênicos (parasitários ou não), assim a variedade de plantas de onde óleos essenciais pode ser extraída é vasta, tais como: Rosmarinus officinalis (alecrim), Eucalytus globulus (eucalipto), Mentha spicata (menta), Origanum vulgari (orégano), Syzygium aromaticum (cravo-da-Índia) e M. alternifólia entre outros (CIRINO, 2014). Em função disto, estas substâncias são muito utilizadas na área da saúde. O óleo essencial de O. vulgari (orégano) apresentou efeito sobre M. pachydermatis espécie envolvida em dermatites de animais domésticos (SANTIN et al., 2014). O óleo essencial de S. aromaticum (cravo-da-Índia) conta com uma ampla variedade de ação, incluindo além da ação bactericida e fungicida, ação parasitária e inseticida (AFFONSO et al., 2012).

É bem estabelecida a ação do óleo de melaleuca sobre lesões de pele, como a acne, pois o óleo tem ação bactericida sobre Propionibacterium acnes (bactéria envolvida nesta lesão), além de ação anti-inflamatória (BACCOLI et al., 2015) e por isso avaliado para uso em tratamentos estéticos faciais (RONCHI et al., 2018).

Um xampu com uma concentração de 5% do óleo de M. alternifólia mostrouse eficiente no controle de dermatites causadas pelo fungo M. furfur (SATCHELL et al., 2002). No presente trabalho, a aplicação do óleo de melaleuca nas placas de Petri, impediu o desenvolvimento da fase filamentosa de M. furfur e, interferiu no tamanho celular das leveduras observadas, corroborando com os resultados da ação fungicida do óleo.

Os resultados neste estudo indicam maior ação do óleo de M. alternifólia no crescimento de M. furfur quando comparado com a aplicação de 2 ciclos do equipamento de alta frequência. O óleo impediu o crescimento do fungo na fase de filamentosa e, as células desenvolvidas eram menores quando comparada com as células obtidas pelos fungos das placas controle.

Já a aplicação de ciclos equipamento de alta frequência (55 Hz) permitiu o crescimento de M. furfur até a fase filamentosa, porém, células da fase de levedura e os filamentos, eram também menores quando comparada com as células obtidas pelos fungos das placas controle.

Considerações Finais

Embora haja a necessidade da continuação da pesquisa para confirmar resultados obtidos neste estudo, estes mostraram que os tratamentos propostos (equipamento de alta frequência e óleo de melaleuca) afetaram o crescimento de M. furfur, sendo que o óleo de M. alternafolia mostrou-se mais eficiente no controle do crescimento.


Referências:

AFFONSO, R. S.; RENNÓ, M. N.; SLANA, G. B. C. A.; FRANÇA, T. C. C. Aspectos Químicos e Biológicos do Óleo Essencial de Cravo da Índia. Rev. Virtual Quim ., 4 (2), 146-161, 2012.

BACCOLI, B.C; REIS, D.A; SCIANI, M.D; CARVALHO, A.A. Os Benefícios do óleo de melaleuca na acne grau II e III: uma revisão de literatura. 2015. 12 f. TCC (Pós-Graduação) – Curso de Cosmetologia e Estética Integral, Revista da Universidade Vale do Rio Verde, Três Corações, 2015.

BAPTISTA, T.C.C.; REIS, C.R.; TEIXEIRA, D.R.; MOURA, M. Diagnóstico de Malassezia sp em ouvidos de cães e sua correlação clínica. Rev. Eletrônica Novo Enfoque, 09 (9): 48 – 55, 2010.Ciências da Saúde: Campo Promissor em Pesquisa 9 Capítulo 14 139 BRASIL, MINISTÉRIO DA SAÚDE. PORTARIA N° 702, DE 21 DE MARÇO DE 2018. BRAZ, C.C.E.; CUNH, P.S.; NUNES, R.D.; HERRERA, S.D.S.C; D.S.S. JÚNIOR; CARLOTTO, E.S. Aplicação de aparelho de alta frequência e do vapor de ozônio no fungo Malassezia spp. Rev Amaz Sc & Health. 2(2):29-34 2014.

CARMO, E.S; PEREIRA, F. O.; MOREIRA, A. C. P.; BRITO, L.L. GAYOSO, C.W.; COSTA, J.G.M.;

LIMA, E. O. Essential oil from Cymbopogon citratus DC) Stapf: a promising natural product against Malassezia spp. Rev. Inst. Adolfo Lutz 71(2): 386-391, 2012.

CIRINO, I.C.S. Modulação de resistência a drogas por óleos essenciais em linhas de Staphylococcus aureus. Dissertação apresentada à Pós-Graduação de Biologia Molecular e Celular – Universidade Federal da Paraíba, 79 p., 2014.

COELHO, C.C.S.; FREITAS-SILVA, O.; CAMPOS, R.S.; BEZERRA, V.S.; CABRAL, L.M.C. Ozonização como tecnologia pós-colheita na conservação de frutas e hortaliças: Uma revisão Rev. Brasil. Eng. Agrícola e Ambiental. 19 (4): 369 375, 2015.

ESPÍNDOLA, R.C.; ESTOPA, M. C.; MELO, A.M.F.; FRACALOSSI, P.R. Análise laboratorial presuntiva de Malassezia spp. em amostras de escamas do couro cabeludo obtidas de pacientes de uma clínica de estética. Interbio11(2): -11, 2017.

GAO, S., HEMAR, Y., ASHOKKUMAR, M., PATUREL, S., LEWIS, G.D. Inactivation of bacteria and yeast using high frequency ultrasound treatment. Water Research, 60: 93-104, 2014.

GOMES, F.R.E.S. Dermatite Seborreica do Adulto e da Criança: Revisão etiopatogénica e posição nosológica. Dissertação de Mestrado, Faculdade de Medicina, Universidade de Coimbra, 57pp, 2015.

GUADAGNINI, R.A.; SANTOS, L.U.; FRANCO, R.M.B.; GUIMARÃES, J.R. Inactivation of bacteria and helminth in wastewater treatment plant effluent using oxidation processes. Water Science & Technology. 68.8, 1825- 1829, 2013.

HIGA, D.R., CESE, P.C., FALCÃO, R.M.M, CESE, A.C., CHANG, M.R., BORGES, F.S., OLIVEIRA, J.T.M. efeito do gerador de alta frequência sobre cultura de Candida tropicalis. Rev. Especialização Fisioterapia, 1 (1): 1-8, 2007.

LIMA, G.C.G.; COMARELLA, L. Sugestão de desenvolvimento de formulações de xampu-sabonete auxiliar no tratamento da dermatite seborréica. Rev. UNIANDRADE 13 (2): 160-174, 2012.

MARTINS, A., SILVA, J.T, GRACIOLA, L., FRÉZ, A.R., RUARO, J.A., MARQUETTI, M.G.K. Efeito bactericida do gerador de alta frequência na cultura de Staphylococcus aureus. Fisioterapia E Pesquisa 19 (2): 153-157, 2012.

MARTINS, C.C.; KOZUSNY-ANDREANI, D.I.; MENDES, E.C.B. Ozônio no controle de microorganismos em resíduos de Serviços de Saúde. Rev. Baiana Enfermagem, 29 (4): 318-327, 2015.

MORENO-COUTINO, G.; SANCHES-CÁRDENS, C.D.; BELLO-HERNÁNDEZ, Y.; FERNÁNDEZMARÍNEZ, R.; ARROYO ESCALANTE, S.; ARENAS, R. Isolation of Malassezia spp. in HIV-positive patients with ou without seborrheic dermatites. Na. Bras. Dermatol. In press, 2019.

NAKADA, L. Y.K.; FIUZA, V.R.S.; SANTOS, L.U.; FRANCO, R.M.B.; GUIMARÃES, J.R.; SIQUEIRA, S.L. Inativação de cistos de Giardia por ozonização. Hydro, 14:17, 2017.

NETO, E.M.R., MARQUES, L.A.R.V., LOTIF, M.A.L., COELHO, M.O., NOCRATO, M.C., RODRIGUES, J.C. Dermatite seborreica: abordagem terapêutica no âmbito da clínica farmacêutica. Rev. Eletrônica de farmácia. Vol. X (4), 16 – 26, 2013.Ciências da Saúde: Campo Promissor em Pesquisa 9 Capítulo 14 140

OLIVEIRA, A.C.M., FONTANA, A., NEGRINI, T.C., NOGUEIRA, M.N.M., BEDRAN, T.B.L., ANDRADE, C.R., SPOLIDORIO, L.C., SPOLIDORIO, D.M.P. Emprego do óleo de Melaleuca alternifolia Cheel (Myrtaceae) na odontologia: perspectivas quanto à utilização como antimicrobiano alternativo às doenças infecciosas de origem bucal. Rev. Bras. Pl. Med. 13 (4): 492-499, 2011.

OLIVEIRA, L.M.N. utilização do ozônio através do aparelho de alta Frequência no tratamento da úlcera por pressão. Rev. Bras. Ciências da Saúde, 9 (30): 41-46, 2011.

SBD – SOCIEDADE BRASILEIRA DE DERMATOLOGIA. http://www.sbd.org.br. Acesso em 06 de março de 2019.

SANTIN, R., GIORDANI, C., MADRID, I.M., MATOS C.B., FREITAG, R.A., MEIRELES, M.C.A., CLEFF, M.B., MELLO, J.R.B. Atividade antifúngica do óleo essencial de Origannum vulgare frente a Malassezia pachydermatis. Arq. Bras. Med. Vet. Zootec. 66 (2): 367-373, 2014.

SATCHELL AC, SAURAJEN A, BELL C, BARNETSON RS. Treatment of dandruff with 5% tea tree oil shampoo. J Am Acad Dermatol. 47:852-5, 2002.

SILVA, S.B.; LUVIELMO, M.M.,; GEYER, M.C.; PRÁ, I. Potencialidades do uso do ozônio no processamento de alimentos. Semina: ciênc. agrárias, Londrina, 32 (2): 659-682, 2011.

SILVA, G. H. R.; DANIEL, L. A. Desinfecção de efluente anaeróbio com o uso de ozônio/cloro. Eng Sanit Ambient. 20 (2): 279-288, 2015.

SILVA, R.F.S. Revisão bibliográfica do uso do óleo de Melaleuca alternifólia no tratamento de candidíase oral. TCC – Curso Bacharel em Farmácia, Universidade Estadual da Paraíba, Campina Grande, 24p., 2018.

SOLA, M. C.; OLIVEIRA, A.P.; FEISTEL, J.C.; REZENDE, C.S.M. Manutenção de microrganismos: Conservação e Viabilidade. ENCICLOPÉDIA BIOSFERA, Centro Científico Conhecer 8 (14):1398- 1418, 2012.

RONCHI, B.; ROSSETTI, B.; FALDONI, F. O potencial do óleo essencial de melaleuca em tratamentos estéticos faciais. Rev. Científica Multidisciplinar Núcleo do Conhecimento. 1: 56-73, 2018.

TIAGO, M.R.M., CORTEZ, A.C. A OLIVEIRA, J.A.M. Pitiríase versicolor e dermatofitoses diagnosticadas entre os anos de 2006 e 2007 no laboratório de micologia do Instituto Nacional de Pesquisas da Amazônia, Manaus-AM. EVS Goiânia, 45: 123-129, 2018.


Doutora Erica Bighetti, autora do Blog Grandha.

Acompanhe nossas atualizações e novidades no Facebook Grandha.

Grandha Instagram. @grandhabrasil, siga-nos no Instagram.


Page 3 of 15First...234...Last

Mídias Sociais

Facebook Grandha.

Instagram Grandha

YouTube Grandha